“Nhaí, amapô! Não faça a loka e pague meu acué, deixe de equê se não eu puxo teu picumã!”.

Essa frase causou polêmica após aparecer em uma questão do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) no ano passado e questionava qual característica da linguagem pajubá, adotada pela comunidade LGBTQ+ (Lésbicas, Gays, Bi, Trans, Queer/Questionando) levou-a a ser considerada um dialeto para o patrimônio linguístico brasileiro.

A resposta, meus caros, é porque foram lançados formalmente dicionários do dialeto, como “Aurélia, a dicionária da língua afiada”, publicado em 2006 por Angelo Vip e Fred Libi, e, em 1995, o “Diálogo de Bonecas”, de Jovana Baby. O pajubá ou bajubá é uma série de palavras que tem sua origem no nagô e no ioruba, grupos étnico-linguísticos africanos, e considera apropriações linguísticas utilizadas por religiões afro-brasileiras e, principalmente, por homossexuais e travestis desde a Ditadura Militar, como uma forma evitar a repressão policial.

Polêmicas à parte é inegável que hoje muitas dessas expressões que nasceram em grupos LGBTQ+  figuram o dia a dia de grande parte dos brasileiros, como por exemplo, “aloka”, “lacrou”, “tô bege”, “contar um bafão ou um babado”, “arrasou”, “bofe”, entre outras.

 E você, tá ligadx nesse linguajar, maluco? Se não tá, confere o breve dicionário que preparamos para que você não fique de fora quando ouvir alguma dessas expressões por aí.

A

  • Arrasou ou ahazou – Expressão de admiração em relação a algo que alguém fez
  • Abalou – O mesmo que arrasou.
  • Alibã – Polícia.
  • Amapô – Mulher.
  • Aqué – Dinheiro.
  • Aquendar – Olhar, paquera
  • Atender – ficar com alguém, transar.

B

  • Babado ou bafo– discussão, conversa ou fofoca.
  • Bagaceira– De baixo nível
  • Barbie – Homem homossexual malhado e afeminado.
  • Bee– Nome meigo para amigo gay.
  • Bill – Gay, homossexual masculino.
  • Bilú – Homossexual metido a rico.
  • Bofe – Homem bonito.
  • Bolacha – Homossexual feminino.

C

  • Cheque – Cocô
  • Chuchu – Barba.
  • Carimbo – Doença sexualmente transmissível.
  • Carimbar – Transmitir doença.
  • Caminhoneira – mulher homossexual masculinizada
  • Carão – Fazer pose, debochar.
  • Chuca – Lavagem intestinal
  • Close – Pessoa metida.
  • Colar velcro – ato sexual entre duas mulheres.
  • Colocação – ficar louco, chapado

D

  • Demônio – Gay feio (a).
  • Dumdum – Pessoa negra.
  • Desaquendar – sair fora, deixar o lugar.

E

  • E aí? (INHAÍ) – Expressão de cumprimento, talvez a mais usada no meio homossexual. O mesmo que olá, como vai?
  • Ebó – macumba, trabalho
  • Edí – ânus
  • É tudo – Algo muito bonito e/ou interessante.
  • Entendida (o) – Lésbica, gay.
  • Elza – Roubar.
  • Equê – Mentira, sacanagem.

F

Fancha– sapatão, lésbica.

Flopado – zoado, quando não vai ninguém num rolê.

Fritar(tomar bala, doce) Usada para drogas como ácido, extasy, nas baladas, raves, etc. E para quem leva “pipoco”, tiro. Fritar também usada para definir quem dança durante muito tempo.

G

  • Gravação (ou cantar no microfone) – Sexo oral.
  • Gaydar– Expressão dita por pessoas do meio gay, quando identificam outro gay a distância; identificador de gays; uma adaptação de Radar e GPS.
  • Gongar – Falar mal.

M

  • Mona – Mulher; ou homossexual masculino afeminado.
  • Mala – órgão genital masculino.
  • Maricona – Homem homossexual com mais de 50 anos.
  • Mati – pequeno.

N

  • Nena – Cocô. (Da mesma forma que cheque).
  • Neusa – Homossexual; ou mulher oriental.
  • Neca – órgão genital masculino.

O

  • Odara – pênis e bunda grande
  • Ocó – Homem.

P

  • Picumã – Cabelo.
  • Picumã do equê – Peruca.
  • Parô tudo – Expressão de admiração sobre algo que seja bonito ou um ato corajoso.
  • Pintosa – Homem homossexual bem feminino.
  • Poc Poc –Gays novinhos e bem femininos.

R

  • Racha – órgão genital feminino

S

  • Se joga! – expressão de estímulo, o mesmo que “Vá em frente”
  • Suzie – Homem homossexual malhado, afeminado e já com mais de 40

T

  • Tata – Homossexual masculino muito afeminado.
  • Tombar – arrasar, chegar arrasando
  • Tô loka – Expressão de raiva, também usada para indicar que a pessoa está sob o efeito de drogas ou álcool. Pode também ter sentido jocoso.
  • Taba – Maconha.
  • Tá meu bem! – expressão de admiração
  • Tô passada – Expressão de espanto e também de admiração.
  • Tô bege – O mesmo que tô passada!

U

  • Uó – Alguma coisa ruim.
  • Um luxo – Algo bonito, interessante…

Ainda tem muitas expressões inspiradas em artistas e acontecimentos que caíram na mídia, incorporadas da linha do “fazer”, demonstrando que você está fazendo algo à moda de tal pessoa.

  • Fazer a Aidê ou a Winona – Roubar
  • Fazer a Alice – Sonhadora
  • Fazer a Kátia Cega – fingir-se de desentendida
  • Fazer a  Egípcia – Virar repentinamente fingindo que não viu um conhecido em algum lugar ou fingir que não entendeu nada.
  • Fazer a Heleninha Roitman Bebedeira

E a icônica: Aham, Cláudia, senta lá – Expressão que concorda e ao mesmo tempo ironiza alguém.

Agora que você já teve uma introdução básica ao pajubá, se joga, ahaza na noite, e não faz a egípcia por aí quando alguém falar alguma coisa desse tipo. Não seja uó e nem bagaceira!

Diga não ao preconceito.

Acompanhe a DECABRÓN no InstagramFacebook ou compre online e receba em casa. 

 

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.