Autor

DECABRÓN CHILLIS

Browsing

Nós, da DECABRÓN resolvemos lançar esse manifesto. O Manifesto Valorize o Regional! Nas últimas semanas vimos um transformação no mundo em função da pandemia do covid-19. Pessoas tiveram que mudar seus hábitos e as empresas estão se reinventando. Talvez os modelos de consumo nunca mais serão os mesmos. E por isso temos a obrigação de fazer a nossa categoria de  negócios acontecer.

 

Beleza. O mundo não é mais o mesmo. E agora?

Temos que nos unir. Acreditamos que não temos mais concorrentes. E por isso lançamos esse Manifesto Valorize o Regional pra ajudar na valorização das indústrias locais de molhos. É isso que acreditamos! Estamos todos no mesmo barco essa bandeira precisa ser hasteada. Levantar a bandeira do produto regional. O produto autêntico de quem vem desbravando e melhorando a cada dia a prateleira de sabores.

Pra te ajudar, o Chincho Cabrón fez uma listinha nota 10 com todos os produtos dos fabricantes que possuem produtos que valem ter na sua geladeira.

Vamos fazer o Brasil brilhar! Cada um foi escolhido à dedo pra você, buscando cada produto com características próprias e sabores que você deve provar, nem que for uma vez na vida. Obviamente que são sugestões de compra e a responsabilidade da administração de cada venda é feita por cada marca. Então se alguém comer bola no envio, a culpa não é nossa, belê?

Então ai vai:

Roms Sauce
Relish de Pickles
Creme de Alho
Chef n Boss
Molho Bufallo
Barbecue Mineiro
Sakura
Bravo – Molho de Pimenta Verde
Bravo – Molho de Pimenta Suave
Hemmer
Mostarda Escura
Maionese Premium
Emporio Cantagallo
Alho Temperado
Creme de Pimenta Suave
Collecta Brasil 
Molho de Pimenta com Fungui Porcini
Açúcar com Baunilha
Bombay
Molho de Pimenta Rocoto
Salsa Mexicana Jalapeño
Gonzalo
Alho Crocante
Molho de Hortelã

 

Agora que você já tem a listinha da mão. Bora fazer o trem acontecer?

 

 

Halloween chegou. E uma das coisas mais legais dessa data são as caracterizações que a turminha faz pra entrar no clima. Tem sobrinho vestido de múmia, com faca na cabeça, prima vestida de zumbi e até aquela tia vestida de Morticia Addams. É muito divertido.

E foi pensando nisso que fizemos este post para você se inspirar e entrar no clima. Uma receita de lanche simples mas com um toque simpático que a criançada vai adorar. Vamos lá, e mão na massa.
Para fazer uma duplinha de lanches:

Ingredientes:

– Dois pães franceses (desses que faz biquinho pra falar)
– 2 hamburgueres de sua preferência, mas a criançada merece um artesanal hein?! Hoje os açougues já oferecem isso.
– 4 rodelas de tomates
– 4 fatias de queijo prato ou muçarela cortadas grossa (pelo menos 2mm)
– 4 azeitonas recheadas
– 1 picles grande (famoso pepino em conserva)
– sal a gosto
– ketchup
– quatro palitos de dentes

Como montar:

Corte os pães ao meio e toste um pouco em uma frigideira bem quente. Grelhe os hamburgueres em fogo alto até chegar ao ponto desejado – normalmente vão de 2 a 6 minutos, mas depende de seu tamanho. Para facilitar, temos uma ótima grelha desenvolvida pra facilitar sua vida. Veja esse post sobre esta maravilha.
Corte as fatias dos queijos em triângulos longos e o picles em duas fatias longitudinais (de ponta a ponta).

Agora vamos à montagem:

Coloque as rodelas de tomate sobre o pão. Salpique sal. Adicione o hambúrguer grelhado.
Na sequência, adicione o picles saindo pra fora como se fosse uma língua. Use os triângulos de queijos pros dentes e borrife ketchup e SweetChilli Tradicional – se você curtir uma picância leve. Feche com o pão e finque dois palitos de dentes. Nas pontas coloque as azeitonas para fazer os olhos. Legal né? Boa diversão!
Nosso Instagram @decabron
Viva Halloween! Ou pra quem preferir, Viva o Dia das Bruxas!

Se você é um cabrón que gosta de curtir a boa culinária em festivais, já deve ter se deparado com o American Barbecue, ou churrasco americano, que tem virado febre no Brasil como uma experiência gastronômica diferenciada.

Não dá para negar que é uma delícia: as famosas brisket (peito de boi) e as ribs (costelinhas de porco) são regadas em molho barbecue (ou também nosso Porco Moiado – o único molho Barbecue para fazer MOP no Brasil) – e assadas lentamente nos pits, um tipo diferente das churrasqueiras que estamos acostumados, com compartimentos fechados para a lenha e para a carne.

Depois de 12 horas de muita fumaça e paciência, o resultado é uma carne muito macia, praticamente desmanchando na boca, e com um gosto defumado delicioso.

Quer saber mais sobre a história do BBQ e onde degustar essa explosão de molho e sabor sem ter de viajar para o sul americano? Então, vamos lá!

Influência Africana dessa delícia é a cultura Cajun

O povo cajun é  descendentes dos acadianos expulsos do Canadá e que se fixaram na Luisiana, um estado do sul dos Estados Unidos da América. Esta população tem uma cultura própria e adora pimenta e diferentes tipos de especiarias, em especial uma variedade de molhos e pratos que já ultrapassaram as fronteiras fronteiras com os frangos fritos ao som de Jazz…

Então quem inventou o BBQ?

O barbecue, ou BBQ para os mais íntimos, surgiu no sul dos Estados Unidos e é a modalidade mais tradicional e antiga do churrasco americano. Foi criada pelas pessoas escravizadas da região, que transformavam partes menos nobres da carne em verdadeiras delícias, por meio do cozimento lento na fumaça de pinho e do uso dos molhos barbecue caseiros.

De acompanhamento, a tradição texana pede corn on the cob (milho em espiga), baked potatoes (batatas assadas) e cole slaw (salada de repolho com molho vinagrete).

Há uma dúvida quanto o surgimento do nome barbecue, que pode significar tanto barbe à queue, ou “da barba ao rabo”, para representar a loucura feita pelos primeiros churrasqueiros de assar um porco inteiro, ou vir do termo espanhol “barbacoa”, uma armação para guardar a carne que seria seca ou defumada..

E onde eu posso provar esse churrasco?

Você pode até embarcar em uma viagem gastronômica pelo sul dos Estados Unidos para provar o tradicional churrasco americano, mas não precisa mais ir tão longe para descobrir esse sabor!

No Brasil, o American Barbecue tem ganhado espaço em festivais com carne à vontade e toda a técnica certa para fazer um bom churrasco com a fumaça dos pits. Logo logo traremos para vocês um texto completo sobre cada um desses festivais. estão se cadastre na nossa newsletter e espere essa novidade do blog DECABRÓN!

Mas antes de mais nada, um BBQ de respeito pede um molho à altura. Confira então nosso post com tudo o que você precisa saber sobre esse condimento fundamental para um bom churrasco americano!

Vamos a nossa tão aguardada receita de Vaca Atolada, ou como diria os mineirin Vacatôlada.

Essa receita, típica da culinária caipira nasceu com os tropeiros que tinha que subir a serra da mantiqueira. Como o terreno era ingrime e irregular era comum que no período de chuvas o gado atolasse.

Esses mesmos tropeiros tinham o costume de colocar as carnes para conservar em latas de banha e o aspecto quera de gado atolado, essa é uma das explicações para essa iguaria que com pimenta, levanta qualquer “difunto”

Ingredientes:

* 1 kg de mandioca amarela descascada e em pedaços
* 2 cebolas grandes
* 1 kg e 1/2 de costela de boi ripa cortada em pedaços
* 4 dentes de alho
* pimenta do reino moída
* sal
* água
cheiro-verde

Mãos à obra:

Primeiro ela: a costela!

Coloque um fio de óleo de sua preferência na panela de pressão. Refogue bem a carne de costela na panela até deixa-la beeeeem dourada. Adicione os 4 dentes de alho inteiros e as 2 cebolas descascadas e cortadas ao meio. Pimenta do reino a gosto e 4 copos de água.

Não coloque o sal ainda, combinado? Tampe e fogo alto. Pegando pressão, deixe em fogo médio por 40 minutos. Não precisa nem dizer pra ficar de olho pra água não secar né?

Caso contrário, ela explode. Aproveite nessa etapa e escorra em um pote toda a gordura derretida, afinal ninguém quer fazer uma ponte de safena nas próximas semanas. Reserve as costelas e vamos agora preparar pra mandioca.

Agora, vamos saudar a Mandioca

Coloque as macaxeiras – assim são chamadas no nordeste – na panela de pressão, complete com água e salgue. Deixe na pressão por 30 minutos até ficar mole.

Esse tempo depende muito do jeitão delas pois algumas demoram mais outras, menos. Então vale verificar próximo disso pra não deixar passar o ponto.

Casamento entre a costela e a mandioca. Tchram!

Em uma panela grande, adicione a costela cozida e a mandioca em fogo médio.

Deixe apurar até ficar com uma consistência Agora sim você pode corrigir o sal e colocar a bendita pimenta do reino à gosto. Cheiro-verde salpicado dá o chablau final. Sirva em uma travessa funda.

E pra acompanhar, aquela farofinha top e molho Sriracha DECABRÓN.

Imagine comer arroz e feijão no café da manhã. Parece estranho pra ti?

Pois é, no café da manhã costarriquenho e nicaraguense é como um pão com manteiga. Tradição. Lá por aquelas bandas, a galera curte um café da manhã bem reforçado…. digamos que quase um almoço. Talvez porque levem à sério aquele dito popular: “tome um café da manhã como um rei, almoce como um príncipe e jante como um mendigo.” Gallo Pinto, que em sua tradução literal significa Galo Pintado é um dos pratos típicos da cultura local e dependendo da região, também é servido no almoço ou jantar.

Ingredientes:

• 3 colheres (sopa) de óleo
• 2 colheres (sopa) de manteiga
• 1 cebola picada
• 5 dentes de alho picados
• 4 bananas da Terra cortadas na longitudinal
• 2 pimentões picados (verde e vermelho)
• 2 xícaras (chá) de arroz cozido – amanhecido fica melhor ainda
• 2 xícaras (chá) de feijão preto cozido
• 4 colheres (sopa) de molho inglês
• ½ xícara (chá) de folhas de coentro fresco
• 2 a 3 ovos cozidos
• Sal a gosto

Ao vencedor, as bananas! Vamos começar por elas.

Mão na massa:

Derreta a manteiga em uma panela e frite-as lentamente. Enquanto isso, aqueça outra panela e, refogue no óleo, a cebola e os dentes de alho. Coloque os pimentões, refogue-os e acrescente o feijão, o caldo e o arroz . Misture. Coloque em um prato, guarnecendo com as bananas. Acrescente um punhado de coentro em cima e dependendo de sua fome, você pode incrementar com:

 

• Lâminas de abacate

• Ovo frito

• Peito de frango

Agora se você está na ressaca e precisa levantar o defunto, soca sriracha sem medo. É tiro e queda.

Quer conhecer outras 5 receitas para se acabar com sriracha? Descubra aqui.

Você deve estar se perguntando porque o molho Porco Moiado tem esse nome tão peculiar. Será por que o porco tomou chuva? banho? entrou no mar? Ou erram na grafia e era pra ser Porco Noiado?

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Nada disso. O Molho Porco Moiado nasce a partir da tradicional receita americana dos Vinager Based Sauce, muito tradicional na cultura do leste da Carolina do Norte. A tradução literal é “molho à base de vinagre” e seu nome já diz seu principal ingrediente: o vinagre. Com sabor ácido e levemente picante, esse tipo de molho nasceu pra marinar carnes, sobretudo a suína mas vai super bem em aves.

Muito além de Marinar

Além de marinar, que é deixar “temperando mergulhado”, na gringa eles usam como MOP, que literalmente a tradução é “esfregão”. Aqui o chef Bruno Salomão dá a dica pessoal dele.

No MOP, o Porco Moiado é diluído e “esfregado” na carne enquanto ela é assada, de forma lenta e repetidamente dando um sabor caramelizado e levemente picante. O Chincho Cabrón, nosso mestre pimenteiro também mata a cobra e mostra o pau de como usa como MOP em uma leitoa assada no chão.

Mas independente se você curte churrasco, burger ou legumes, o legal é que Porco Moiado dá um toque especial em suas receitas.   

 

Receita para fazer um MOP:

1 ½ xícara de caldo de galinha
1 xícara do nosso Molho Porco Moiado
1 xícara de óleo de canola ou girassol
Sal a gosto

Misture tudo e deixe decantar por 12h em geladeira antes de utilizar

Utilize um pincel ou pano para “esfregar” durante a cocção…

Então vamos lá. Porco Moiado #VaiBemCom

Pra você que não come carne:

  • Dar aquele toque final em legumes grelhados
  • Temperar hamburguer de soja
  • Temperar salada de feijão fradinho
  • Temperar salada de folhas
  • Dar um toque especial em sopas ou caldos
  • Na salada de batatas fica mito

 

Pra você que curte carne:

  • Marinar pancetta suína
  • Marinar copa lombo suíno
  • Marinar costela suíno
  • “Molhar” carne de porco desfiada, como no Pulled Pork
  • Temperar asinhas de frango
  • Temperar tulipas de frango
  • Usar como MOP em leitoa assada

 

Bom pessoal, é isso! Pelo visto você curte cozinhar. Então se liga nessa dica de 4 aperitivos que combinam com pimenta. 

Curtiu? Então compartilhe com seus amigos. Afinal não tem nada melhor que compartilhar momentos inesquecíveis com quem você gosta. Mãos à obra.

Está muito frio por ai? Você é daqueles que nem usando três camadas de roupas consegue esquentar? Afinal há quem diga que frio é psicológico. E foi pensando nisso que fizemos esse post pra mexer com seu psicológico e esquentar seu coração. E por falar em psicológico, tem uma combinação que é imbatível para o frio: sopa, pão italiano e pimenta. Selecionamos essa clássica das madrugadas do gastrobares e super fácil de fazer pois são poucos ingredientes. Então vamos à listinha:

 

Ingredientes:

Pão italiano tipo bolota com aproximados 400gr

1 xícara de queijo parmesão ralado

1 xícara de queijo gorgonzola

1 xícara de queijo tipo Catupiry®

1 xícara de queijo mussarela ralado

Tablete de caldo de galinha

4 xícaras de leite

1 cebola média

100gr de manteiga sem sal

Salsinha picada a gosto

Noz moscada

Azeite

Molho de pimenta Habanero e Bacon ou Colírio pro Zóio

 

Mão na massa:

Em uma panela funda, refogue a cebola na manteiga até começar a dourar – dica: coloque um fio de azeite pra ajudar a não queimar a manteiga. Adicione uma xícara de leite, o tablete de caldo de galinha e os queijos Catupiry® e gorgonzola. Deixe a mistura engrossa em fogo baixo. Após engrossar, bata no liquidificador com o resto do leite. Dica: use as três xícaras de leite para baixara temperatura antes de colocar no liquidificador.

Volte a mistura de volta ao fogo por mais alguns minutos, mexendo sem parar até que fique bem homogênia. Acrescente o parmesão e a mussarela e desligue o fogo. Pra finalizar, rale um pouco da noz moscada.

Corte a tampa do pão italiano redondo e retire o miolo na parte central cavucando com muito carinho. Despeje a sopa dentro do pão e sirva imediatamente.

E a pimenta? Se você curte um toque de bacon, pingue algumas gotas de Habanero e Bacon assinado pelo Marky Ramone. Agora se você prefere mais picante, soca porva no Colírio pro Zóio.

Aposto que você já sentiu um calorzinho e esqueceu do frio.

Como a pimenta age no fluxo sanguíneo, aquecendo o corpo e dando maior sensação de energia, considere esse ingrediente infalível, termogênico e saudável não só para mudar seu psicológico, mas também para consumo diário.

E por falar nela, após conferir receitas ardentes de comidas afrodisíacas para esquentar o clima de casal, aprenda mais sobre esse alimento no artigo picante: Arriba muchacho: saiba como usar a pimenta como afrodisíaco.

 

A vá! Nunca experimentou pimenta jalapeño recheada e gratinada? No México é muito comum encontrar esse petisco em bares e restaurantes. É ótimo para fazer em uma reunião com os amigos, afinal é super fácil, rápido e barato. Você não precisa ter nenhum certificado da Le Condor Bleu nem ter participado do MasterChef pra fazer bem essa receita. As jalapeños verdes são encontradas normalmente nos CEAGESP mais próximo ou em alguma loja especializada em hortifruti. Se for difícil, vc pode substituir por jalapeños em conserva, que são vendidas em latas na internet. Uma cervejinha gelada cai super bem. Agora se você é um heavy user das pimentas, veja aqui 4 receitas de drinks picantes para acompanhar esse rolê.

Jalapeños gratinadas

Rendimento: 12 unidades

Ingredientes:

– Meia dúzia de pimentas jalapeños verdes in natura
– Dois potes de cream cheese de sua preferência
– Queijo parmesão ralado
– Sal
– Azeite

Como fazer:

Primeiro tempere o cream cheese com queijo parmesão ralado, sal e azeite. Abra as pimentas ao meio de forma longitudinal (ou seja, do bico até o cabo) para separar um duas partes. Retire com uma colher as sementes e a placenta – isso mesmo – placenta! A placenta é aquela estrutura mais clara que segura as sementes. Mas todo cuidado é pouco pois é lá que está o óleo da capsaicina, responsável pela picância da pimenta (não vá coçar os olhos, o saco ou a xoxota). Coloque em uma travessa melada de azeite (pra não grudar). Recheie as belas “canoas” de jalapeños com o cream cheese temperado e polvilhe com parmesão ralado. Pré-aqueça o forno a 180ºC e leve por 15 minutos. Finalize no modo grill, se o seu forno tiver essa função ou use uma maçarico pra gratinar o queijo parmesão. Fica lindão.

Dica do Chincho:

Você pode adicionar outros ingredientes ao recheio de cream cheese, como: manjericão, damasco, nozes, raspas de limão, uva passa ou até mesmo curry. Use sua criatividade e experimente essas variações. Quer conhecer outras receitas picantes? Então clique aqui.

Segundo o site Food Beast, um produtor bem conhecido no mundo da picância fez história mais uma vez após criar uma pimenta ainda mais caliente que a Carolina Reaper, até então considerada a mais forte do mundo.

Chamada de Pepper X, a pimenta conta com 2,48 milhões de unidades de calor de Scoville, contra 1,56 milhões de pontos atingidos pela antiga recordista.

Para se ter ideia, uma unidade de calor Scoville é equivalente a diluição de uma pimenta em água. Os níveis de calor são medidos pelo número de diluições que levaria para eliminar completamente o calor de uma pimenta. Assim, o Pepper X exigiria mais de 3 milhões dessas diluições, uma quantidade que nenhum concorrente no mundo alcançou.

Ainda segundo o site, o impressionante é que o inventor desta iguaria é o próprio Ed Currie, que também lançou a Carolina Reaper. Conhecido como Smokin ‘Ed, o cara levou dez anos para criar essa potente pimenta, que está em análise para integrar o Guiness Book, na categoria “World’s Hottest Pepper”, que será confirmado em novembro.

Atualmente, só é possível encontrar a Pepper X dentro do molho Hot Ones, do The Last Dab. O molho é famoso por colocar fogo na boca das celebridades no canal do YouTube First We Feast “Hot Ones”, e na verdade, é ainda mais picante que a Reaper, registrando 2,4 milhões de pontos na escala Scoville.

Mas onde encontro?

O lançamento inicial do The Last Dab já está esgotado, mas está a caminho, já que a equipe da Puckerbutt Pepper Company colhe mais desta criação ardente em breve.

Quer ardência? Conheça nossos molhos Samba do Criolo Doido e Colírio pro Zóio do Cão Véio.

 

© Foto: Reprodução

Harmonização de vinhos é o tipo de coisa chique, que todo mundo queria saber fazer, mas — cá entre nós — pouca gente conhece de verdade. A sorte é que geralmente dá pra se passar por connaisseur (com biquinho e tudo!) com algumas dicas básicas e pratos mais ou menos neutros. Só que quando a gente se depara com algo menos convencional, a coisa aperta.

Pois você tem ideia de como combinar vinhos e comidas apimentadas? Então, se ligue no nosso post e não tenha nem dúvida na próxima vez em que for chamar os amigos para curtir suas especialidades picantes com uma boa taça da bebida de Dionísio! Vem com a gente:

Fuja dos vinhos tânicos

Sabe aqueles vinhos que de tão adstringentes parece que secam a boca toda e até te fazem fazer careta no primeiro gole? Essa sensação é causada pelos taninos, substâncias presentes na casca das uvas — em umas mais do que em outras — e que ficam mais fortes conforme o vinho envelhece.

Até aí, tudo bem, mas o problema é que combinar taninos com pimenta dá em um amargor muito forte, podendo estragar tanto o vinho quanto o seu prato. Na dúvida, fuja destes aqui: Tannat, Cabernet Sauvignon, Baga e qualquer um envelhecido em barris de carvalho, ok? Por outro lado, Pinot Noir está mais do que autorizado, pois tem pouquíssimos taninos!

Apague o fogo com vinhos refrescantes

A pimenta dá mesmo uma sensação de calor — tem gente que fica até se abanando depois de um bom chipotle, não é? Mas você sabia que essa é outra dica quando o assunto é a harmonização de vinhos com pratos picantes?

É só pensar nos mais refrescantes para acertar em cheio: brancos e rosés bem geladinhos são ótimas pedidas! Só deixe de lado o Chardonnay, que apesar de ser branco, é tânico e pode deixar as coisas mais amargas do que você gostaria.

Prefira os vinhos docinhos ao invés dos secos

A pimenta ajuda a diminuir a doçura, por isso os pratos picantes harmonizam super bem com vinhos doces e frutados. Além disso, a acidez é ótima para destacar outros sabores da comida, evitando anestesiar a língua e criando uma explosão de paladar! Precisa de sugestões? Uvas alemãs como Riesling e Gewürztraminer dão conta do recado.

Mais pimenta, menos álcool

Calma, não estamos dizendo que você vai ter que beber menos se a comida estiver muito apimentada. A dica aqui é só de reparar bem no teor alcoólico do vinho que você escolher. Isso porque o álcool já é meio ardido na boca, concorda? Pois combinado com a pimenta, a coisa toda pode ficar tão forte que só sendo dragão para apreciar!

Combinando texturas: aposte no espumante!

A picância, para quem não sabe, é bem mais uma sensação do que um sabor, ou seja: tem mais a ver com tato que paladar. Sendo assim, uma combinação sensacional é a pimenta com o espumante: além de poder ser docinho e gelado — já atendendo às nossas dicas anteriores —, as bolhas da bebida criam uma sensação indescritível na língua (e no cérebro!). Que tal experimentar?

Agora você já conhece os segredos da harmonização de vinhos com a comida apimentada, mas quem disse que pimenta e bebida só se combinam aí? A gente separou ainda 4 receitas de drinks fodásticos com pimenta para você. Bora dar uma olhadinha antes de decidir o menu da próxima festa na sua casa?