Pimenta é o tipo de comida que ou as pessoas amam ou odeiam, né? Em alguns países, o ingrediente está presente até no café da manhã, como é o caso do México. Porém, em outras regiões como no norte da Europa, não é tão comum encontrar receitas com a planta.

O que se sabe é que a pimenta existe desde muito antes de Cristo e que, em sua fascinação pela iguaria, os homens criaram até uma escala para medir a ardência da pimenta. Com a chamada Escala de Scoville, foi possível então determinar quais são as pimentas mais fortes do mundo. Quer conhecê-las? Então, chega mais!

Estados Unidos

Na pequena cidade de Fort Mill, na Carolina do Sul, o cultivador Ed Currie criou simplesmente a pimenta mais forte do mundo. Dona do título no Guinness Book desde 2013, a Carolina Reaper, ou HP22B (nome científico), tem superfície brilhante, de um vermelho bem vivo.

Ela tem uma longa cauda no formato de ferrão e seu nome, em inglês, quer dizer “Ceifadora da Carolina”. Não é pra menos! Sua intensidade de calor é de 1,56 milhão na Escala de Scoville e, para ser manuseada, é necessário usar até luvas para não ferir as mãos. Nem os americanos, que estão acostumados com pimentas, encaram facilmente uma dessas!

A empresa vende o produto em doses baixas, misturadas em molhos e mostardas. Mesmo assim, os potinhos são vendidos já com o aviso da potência de seu conteúdo: “Lava Comestível” e “Eu te desafio, estúpido” são alguns dos frascos vendidos com o objetivo de intensificar (e muito) o sabor da comida.

Inglaterra

Em outro vilarejo pequeno, dessa vez na província de Cumbria, no Reino Unido, o fazendeiro Gerald Fowler produziu uma mistura entre três das pimentas mais fortes do mundo (Naga Morich, Bhut Jolokia e Trinidad Scorpion) e conseguiu um resultado pra lá de picante. A Naga Viper, ou Capsicum Chinense, tem 1 milhão de unidades de calor e já foi considerada a pimenta mais forte do mundo pelo Guinness Book, em 2011.

A pimenta, claro, transformou a cidade de Cark em sensação para os turistas, que vão até o local tentar encarar a iguaria. Na Inglaterra, porém, os alimentos em geral não costumam ser muito apimentados.

Índia

Um dos países mais famosos por suas pimentas é a Índia. De lá, vem a Bhut Jolokia, a primeira pimenta a atingir mais de 1 milhão de ardência na Escala de Scoville.

Também chamada de Naga Jolokia, Ghost Chilli, Ghost Pepper e Naga Morich, ela é cultivada há séculos na região de Bangladesh e, em 2007, chegou a ser considerada a mais ardida do mundo. Se você compará-la a uma Tabasco, por exemplo, a Bhut Jolokia chega a ser 400 vezes mais picante. Já imaginou?

México

Outro país reconhecido mundialmente por inserir as pimentas em sua culinária é o México, que, de fato, abusa da ardência em seus pratos. Para quem vai visitar o país, tenha em mente que os jalapeños, por exemplo, que para nós brasileiros são superfortes, para eles são pimentas de ardência média.

A pimenta mais forte produzida por lá é a Habanero, com cerca de 300 mil pontos na Escala de Scoville. Originária da península de Yucatán, ela é pequena e bem colorida, com cara de inofensiva, podendo ser vermelha, rosa, verde, amarela ou alaranjada.

Trinidad e Tobago

Agora, mais pertinho da gente, em uma ilha da América do Sul, está outra pimenta de arrepiar. Com mais de 2 milhões de ardência na Escala de Scoville, a Trinidad Moruga Scorpion tem o nome de escorpião não é pra menos.

Sua potência é tanta que, em muitos lugares, ela é usada como spray de pimenta para proteção pessoal. Ainda assim, existem uns loucos por aí que produzem molhos dela e se arriscam a provar.

E você? Teria coragem de fazer um tour pelo mundo experimentando as pimentas mais fortes do mundo? Se você gosta de uma pimentinha, não deixe de ver nossas receitas de 4 drinks fodásticos com molho de pimenta. Enquanto a gente não pode viajar para conhecer essas iguarias, podemos ir testando receitas em casa mesmo, né?

1 Comentário

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.